O menino que sobreviveu

Tudo começou quando num aniversário de muitos anos atrás vi minha tia chegando com um pacote todo bonitinho nas mãos. Aberto, naquela pressa gigantesca que criança tem em querer saber logo qual é o presente, todo lindo e com aquele cheiro delicioso de livro novo, o presente caiu no meu colo. Eu já o conhecia por nome, aliás, todo mundo já conhecia Harry Potter e a Pedra Filosofal. Na época, o livro estava começando a estourar e todo mundo comentava sobre a história do menino-bruxo que as crianças não conseguiam parar de ler. Bem, isso realmente é verdade, mas com o tempo as pessoas começaram a perceber que não eram apenas as crianças que não conseguiam parar de ler…

Comecei minha leitura de Harry Potter e a Pedra Filosofal na maior alegria da qual quem ama os livros tem: devorar (quase literalmente, como diria a Babi) cada página da história. E tudo virou uma coisa mágica, maravilhosa. Era uma mistura de muitos sonhos de crianças virando realidade. Imagina descobrir que é um bruxo e que vai estudar numa escola de Magia e Bruxaria? Todo mundo sonhou um pouquinho em ser Harry Potter, todo mundo se sentia ‘maltratado’ quando o Snape fazia alguma coisa contra ele, todo mundo achava o máximo tem Hermione e Rony como seus dois melhores amigos.

Aí que ele cresceu e a gente também… e toda aquela geração acompanhou quase que fervorosamente o desdobramento da história. Eu, que não tinha os outros livros, quase sempre emprestava de alguma amiga ou retirava da biblioteca municipal da minha cidade. E depois de um tempo a história começou a tomar rumos que a gente mal podia imaginar e logo o primeiro filme foi lançado, o que levou mais pessoas a acompanharem Harry Potter, mesmo que só pela telinha do cinema. Lembro que na época fui procurar saber mais sobre a história da J.K Rowling, a escritora da série, e fiquei meio desacreditada de como várias editoras tinham recusado o livro num primeiro momento. Talvez hoje elas arranquem um pouquinho de cabelo toda vez que se lembrem disso…

Acontece que depois de um tempo eu acabei me perdendo na coleção, e o 6º e o 7º livro ficavam sempre martelando na minha mente que deviam ser lidos. Então, nas minhas últimas férias – quando já se comentava sobre o lançamento da primeira parte de Harry Potter e as Relíquias da Morte nos cinemas – decidi voltar para aquela história, para aquele mundo a parte que tanto havia me encantado. Reli todos os livros me pendurando em cada palavra, chorando em várias partes (a morte do Sirius e do Dumbledore é a coisa mais triste de se imaginar) e percebendo que esse amor por Harry Potter é mágico, de verdade.

Finalmente, depois de muitos dias, os sete livros estão empilhadinhos no canto aqui do quarto, devidamente lidos (obrigada ao Di que me emprestou toda a coleção!) e agora os planos são para os filmes, porque com certeza quero rever todos antes de ir ao cinema – primeiro lugar na fila aí vou eu haha – e assistir ao sétimo. Justamente nessa semana em que terminei a série, tive uma aula na faculdade quase que inteirinha sobre o último livro (acreditem gente, aula sobre Harry Potter) e o trailer oficial finalmente saiu, me deixando toda arrepiada quando vi pela primeira vez.

O que fica de tudo isso é que o menino que sobreviveu é um pouco dos sonhos de todo mundo, da vontade de ser especial, da identificação com uma história que é um mundo paralelo ao nosso e, que por isso, se torna tão apaixonante.

O que fica de tudo isso é que o menino que sobreviveu tem um lugar especial e só dele no meu coração.

Update: O livro da vez é Enciclopédia da Moda, da Georgina O’Hara Callan e, por falar no assunto, comecei a escrever alguns textos para o blog do À Moda da Casa. Minha primeira matéria já foi ar e logo outras virão, assim espero. Confiram lá ;)

Anúncios

Sunday Morning

São quase nove horas da manhã de domingo e sim, eu estou aqui para postar. Levantei agora a pouco e vi que o Di ainda vai demorar horrores pra acordar (amo quando isso acontece porque daí posso ficar aqui olhando ele dormindo, coisa que eu vou confessar que faço sempre!haha) e como eu to com preguiça de fazer qualquer outra coisa resolvi vir aqui no  computador. Twitter não entra, minha caixa de e-mails não tem nada de interessante, não to com muita vontade de ler nenhum blog, site (olha que isso é muito, muito difícil) e lembrei que meu blog anda mais abandonado do que o normal. E o pior é que dessa vez não posso colocar a culpa na falta de tempo, na correria do trabalho, nos estudos da faculdade. O desleixo foi meu mesmo, de não dedicar o tempo certo para ele, porque tem que ser que nem plantinha… Tem que cuidar, regar sempre, encher de amor e carinho pra ele crescer. Quando eu digo crescer me refiro a se encher de coisas boas, – mesmo que sejam coisas boas só para mim ou coisas boas as quais só eu vou ler – mas que ele fique bem cuidado e sirva como meu lugar pra colocar textos, desabafos e coisas legais e interessantes.
Bom, mas vamos aos últimos acontecimentos… Hoje é oficialmente meu último dia de férias, já que amanhã tudo volta ao normal, incluindo-se aí não só a faculdade, mas o trabalho também. De cara já tenho vários problemas pra resolver: tentar arrumar meu horário da aula de Língua Portuguesa  – caso não dê certo vou ter que rezar para que o chefe pegue leve e me ajude na mudança de horário – e tentar arrumar minha nota de Fotojornalismo que foi o “drama” do mês passado. Tive minha média publicada no sistema – no último dia que os professores tinham pra lançar as notas – como 3.3! Depois de uma troca de e-mails, de um susto gigantesco e de muito estresse o professor confirmou que meu 3.3 é na verdade um 9 e que a nota foi divulgada errada. Bem, como notas só podem ser alteradas depois de passar por todo um protocolo da Unesp, ainda estou aguardando as mudanças – sorte que só tenho Fotojornalismo !! no ano que vem.
Volta às aulas significa, além de tudo, muita alegria. Sim, por mais estranho que isso possa parecer. Primeiro porque eu tive que voltar pra Bauru – e sabe, eu amo essa cidade! – e segundo porque to super empolgada em começar um projeto de pesquisa esse semestre (se todos os meus planos darem certo e eu sei que vão!). Andei muito empolgada com algumas coisas nessas férias, e acho que tive algumas idéias que podem ser bem interessantes para uma pesquisa…
Mas como nem só de vida acadêmica vive o homem, não me dediquei exclusivamente a isso nas férias. Ao lado disso vinham os livros, as horas de internet, um projeto de site novo com o pessoal de Jornal e a fantástica coleção de Harry Potter inteirinha do Di, me enchendo de vontade de começar a ler tudo de novo! Ainda bem, tudo deu certo… o blog saiu! Chama Bicho de Seis Cabeças e fala sobre cultura-entretenimento. Dividido em seis editorias – Cinema, Literatura, Música, Moda-Beleza,Cinema, Tecnologia, Comportamento – cada cabeça ficou responsável por uma editoria específica e assim vamos postar textos, notícias e qualquer coisa referente ao assunto. Minha editoria é Moda-Beleza, – aqui dá pra ver só os meus textos no blog – que por enquanto tem poucos textos porque acabamos de começar, mas garanto que vão ter vários!Os outros responsáveis pelas editorias são: Di (Tecnologia),Fernanda (Música),Wagner(Comportamento),Isabela(Cinema),Helena(Literatura).Acessem e comentem! (total jabá, mas enfim..haha)
Como havia dito ali em cima, me entreguei ao Harry Potter e voltei a ler a coleção toda. Já estou no Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban (o terceiro da série) e só fico mais animada a cada capítulo que leio!
Bom, já são quase nove e meia e começou a me dar fome. Vou tomar um café enquanto espero o Di – sim, ele ainda não acordou – e zapear por uns blogs afora. Acho que hoje faremos um novo programa com a Ariane e o Pedro, que também já estão em Bauru, porque o de ontem foi muito bom: sessão filme “O orfanato” com lanchinho e muita risada – até filmes de terror ficam engraçados com as piadinhas deles.
Prometo me dedicar mais ao blog… aliás, já tenho até idéia para um novo post. Um assunto que me deixou super “ofendidinha” há uns dias atrás.
Well, mas isso fica para uma próxima vez…