Cheiro de chuva

Foram 63 dias sem chuva! Sessente e três!
No mês passado a prefeitura já tinha divulgado que a cidade estava em clima de alerta por causa da umidade do ar, ou melhor, da falta dela. Bauru chegou a bater a porcentagem alarmante de 18%, quando pela escala da OMS (Organização Mundial da Saúde) valores abaixo de 30% já são preocupantes. Mas os números, mesmo que bem visíveis, não precisavam aparecer com toda essa pompa pra mostrar o que eu já tava sentindo na pele, na irritação dos olhos, nesse cansaço que fazia o corpo até doer e nesse sol que achava escaldante uma palavra muito bobinha pra ele ser chamado.
Hoje, depois de 63 dias sem ver uma gota de chuva pela janela, o dia amanheceu cinza e com um vento que me fez protagonizar a cena de Marilyn Monroe em “O pecado mora ao lado” na frente da editora. Hoje, depois de 63 dias a gente escutou os primeiros pingos de chuva lá fora e todo mundo correu nas janelas da redação pra ver uma coisa que parece tão bobinha, tão parte do nosso dia a dia, mas que depois de tanto tempo sem acontecer faz a gente pensar em como é importante, em como faz um bem danado pra pele, pra alma, pra vida.
A redação parou pra bater palma, mas merecia bem uma festa, ainda mais por vir acompanhada daquele cheirinho que há tantos dias tinha desaparecido, e que logo invadiu a sala e fez todo mundo trabalhar muito mais feliz.
Foram 63 longos dias, mas a chuva chegou. E foi lindo.

Anúncios

Sejamos clichês

Sejamos clichês. Quando for pra valer, não vamos ter medo de falar “Eu te amo”. O “Eu te amo” já anda tão escasso, já anda tão mal falado, tão usado como quem diz “Vou ali na esquina comprar pão”, que quando for de verdade, a gente não pode ter medo de dizer. Não pode se achar bobo, não pode ter medo de arriscar. Se a gente deixa o momento passar, nem sempre haverá um outro igual.

Sejamos clichês. Vamos dar importância mesmo pra cada pequeno momento. Porque toda mulher ama juras de amor, ama receber um buquê de flores enormes e cheirosas, ama que seu homem seja um poço de delicadezas quando está com você.  Eu, pelo menos, amo. Mas o que eu amo mais ainda é que ele abra a porta do carro pra eu entrar, que ele me surpreenda as 16h de uma tarde chuvosa de terça-feira com um “Te amo” no meu celular. Que ele me conte coisas que eu sei que pra ele são dificílimas de contar. Isso pra mim importa mais do que qualquer outra coisa. Porque no final o amor é mesmo construído nesses pequenos momentos, quando você aprende a vê-los com um olhar de surpresa, de quem se encanta como se fosse a primeira vez pela pessoa.

Sejamos clichês. A gente já tem que ser tão duro no dia a dia, já tem que levar uma vida que não te dá um minuto pra respirar, que te obriga (ainda bem) a usar todas as suas horas do dia sem deixar nada pra depois. Então, quando a gente tiver esse tempo extra milagroso, vamos aproveitar com quem a gente ama. Seja namorado, amigos, cachorro… A vida é curta demais pra gente achar que as pessoas estarão sempre esperando pela gente.

Sejamos clichês. Vamos dizer “Bom dia”, “Boa tarde”, “Boa noite” sempre. Vamos lembrar que um “Com licença” e “Por favor” são fundamentais nessa vida, mon dieu. Vamos ser gentis e flexíveis, porque eu acredito mesmo que tudo o que você faz nessa vida, volta pra você em dobro, mesmo que não seja tão já.

Vamos ser clichês. E parar de achar que o mundo é um lugar feio, brutal e incoerente. Às vezes ele até pode ser, mas se você acredita e desiste de jogar, ninguém, absolutamente ninguém vai conseguir te colocar no jogo de novo.

Sejamos clichês.  Vamos achar que a gente merece. Porque a gente tem tendência a se subestimar, a se colocar como incapaz pra uma coisa, a acreditar que a gente não tem chances. Se você não acreditar e correr atrás disso, quem vai acreditar por você?

 Sejamos clichês. E vamos escrever cartas. E vamos ver filmes. E vamos escutar música, e ver peças de teatro, e assistir mais séries, e sermos mais românticos, e chorarmos de alegria. Vamos ser viscerais com cada momento, vamos saber tirar o máximo de tudo. E vamos perguntar muito, e perguntar mais um pouco, e sermos absurdamente fortes quando precisarmos. Vamos reclamar menos e fazer mais, ou se for pra reclamar, reclamar pelo que a gente acredita, sabendo usar todas as cartas da manga. E vamos estudar muito. Estudar um mar de assuntos, aproveitando tudo aquilo que cair em nossas mãos.

Sejamos clichês. Porque, afinal, ser clichê nessa vida tem muito mais a ver com saber aproveitá-la do que ter medo de fazer papel de bobo. A escolha é sua.

Sejamos clichês e exageradamente felizes.