ensaios de domingo

E tudo começa com um simples passeio de domingo a tarde. Você sai de casa achando que vai ser apenas mais uma caminhada como tantas outras, ou melhor dizendo, como tantas outras que você costumava fazer quando ainda lhe restavam as energias e a disposição suficiente pra sair andando pela rua. Tudo antes da vida universitária (quando você passa mais horas na frente do computador reclamando de seu sedentarismo, do que realmente faz algo de fato pra acabar com isso). Bom, a questão é que você sai. Simplesmente pela idéia de que pelo menos no domingo você deve tentar explorar um pouco mais da cidade em que já mora há mais de um semestre, e sim, acredite-se ou não, conhece apenas o caminho que vai da sua casa até a padaria na esquina. Tudo bem… inclui-se nesse pacote as redondezas que abrigam o shopping, Habib’s e Mc Donald’s. (E enquanto escrevo isso tomo consciência da tamanha futilidade em que vivo). Sai sem pressa, de mãos dadas e reparando no caminho que vai fazendo. Ruas normais, pessoas passando sem pressa – lembre, é um domingo! – festas em algumas casas, reuniões no meio da rua. Então você lembra que em menos de cinco minutos há uma praça logo ali. Uma praça que você observa todos os dias pela janela do carro, sem ver. Observar sem ver é mais normal do que a gente supõe acontecer. Você lembra da tal praça e ainda de mãos dadas caminha até lá. Crianças correndo, casais namorando, um bando de adolescentes vestidos de capas pretas e tentando incorporar a versão mais rebelde do momento. Grama verde, algumas pichações – é, nem tudo é perfeito…bem-vindo a realidade – e você lembra que aquela sua velha vontade de fazer um curso de fotografia ainda pode ter algum sentido. Tudo bem que você não tem nem idéia nem por onde começar, mas brincar que sabe tirar foto pode ser algumas vezes no mínimo engraçado. Ele lembra que o celular dele tem uma câmera boa pra fotografia. Tem certas coisas que vem a calhar… E você começa a fotografar tudo aquilo que vê pela frente. As pessoas na praça, o viçoso da grama, os degraus que levam ao anfiteatro… Toda a magia de um fim de tarde numa bela praça em um lindo domingo parece conspirar contra você, e magicamente você tem um dia perfeito. Sentada nos degraus, rindo e olhando pra ele e pro sol que vai dando adeus, você repassa novamente as fotos tiradas. É nesse momento que você tem certeza que existem certos domingos que você sabe-se lá por qual magia em particular, nunca vai esquecer.

Cópia de DSC00318

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s